20 de agosto de 2008

Arroz vermelho aumenta produção e conquista novos mercados



 

Os produtores do Vale do Piancó buscam maior capacitação e linhas de crédito para aumentar a produção e a produtividade. A intenção é captar recursos para a aquisição de equipamentos, organização dos produtores e maior divulgação do arroz vermelho.

 

O Senar está desenvolvento ações voltadas para o fortalecimento e formação de empreendimentos rurais atráves o projeto “Arroz Vermelho do Vale do Piancó”, trabalhando com capacitações específicas para o aprimoramento em Gestão, Produção e Comercialização. Segundo Véra Figueiredo, facilitadora do empreendedor rural do Senar, o projeto irá atender os municípios do Vale do Piancó, que já começaram a etapa de coleta de informações sobre a produção local.

 

O arroz vermelho que ainda é pouco conhecido no Brasil, constitui na Paraíba um dos principais alimentos da culinária regional, sendo conhecido também como arroz-da-terra e arroz veneza. O Estado é o maior produtor do país e o Vale do Piancó possui uma bacia hidrográfica de solos naturalmente férteis que viabiliza a produção desse tipo de arroz.

 

Um exemplo é o Santana dos Garrotes que possui a ‘Associação dos Produtores de Arroz Vermelho de Santana dos Garrotes’. Segundo o presidente Dedé Santana a associação conta com 60 produtores sendo que no municio já são mais de 400.

 

O preparo da terra se dá no período do mês de dezembro, onde o corte do solo é feito pela tração animal, e não há utilização de agrotóxicos. O plantio é realizado na segunda quinzena de janeiro, período que começam as primeiras chuvas.

 

Os sistemas de cultivo ainda são bastante rudimentares, sendo plantado predominantemente por pequenos agricultores, como lavoura de subsistência, numa área de 5 mil hectares, tendo produção aproximada de 2.500 KL por hectare.

A Embrapa está realizando o trabalho de melhoramento genético do arroz vermelho, a partir do material coletado em várias regiões do país. “O arroz vermelho é mais nutritivo que o arroz branco, ele possui muita fibra, ferro e zinco”, destacou Dedé Santana, representante da Associação.

O mercado também esta se expandindo e os produtores estão fornecendo o arroz para Estados como: São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Brasília, além de atender o consumo do Estado da Paraíba e circunvizinhos.

O arroz vermelho

O arroz é uma planta asiática, teria sido domesticado na China no ano 2800 antes de Cristo. Ainda hoje é um dos alimentos mais importantes na dieta dos chineses. Ele serve principalmente como fonte de energia, mas também tem fibras, vitaminas e minerais. Com mais de um bilhão de habitantes, a China é o maior produtor e também o maior consumidor de arroz do mundo, mas o arroz primitivo não era branco, ele tinha os grãos vermelhos. O arroz branco surgiu de uma mutação genética ocorrida nas plantas de arroz vermelho e acabou prevalecendo.

No Brasil o arroz vermelho foi introduzido pelos portugueses logo no início da colonização, mas na segunda metade do século XVIII seu plantio foi proibido pela coroa portuguesa que introduziu o arroz branco no seu lugar.

O arroz vermelho e o branco são variedades diferentes da mesma espécie e seus grãos são muito parecidos. Antes do beneficiamento nem dá para distinguir um do outro. A cor vermelha surge com a retirada da casca. Está na película que envolve o grão.

Poliana Queiroz – estagiária de Jornalismo – Com informações do Globo Rural