22 de outubro de 2009

Congresso Brasileiro de Palma acontece na Paraíba



Com o tema “Potencialidades e Inovações para o Desenvolvimento Sustentável”, o Congresso Brasileiro será realizado no período de 26 a 29 de outubro de 2009, em Campina Grande (PB).

Com base nesse tema serão realizados dois simpósios: Produção e Utilização da Palma e outras Cactáceas; Agronegócio: Produtos e Processos da Palma. Em cada simpósio haverá uma mesa de debate com os palestrantes e o publico. Além dos simpósios haverá a sessão pôster onde os participantes terão oportunidades de apresentar seus trabalhos. Durante o Congresso serão oferecidos dois mini-cursos:Utilização da Palma na Alimentação Humana e Utilização da Palma na Alimentação Animal.

O evento é uma realização da Associação Brasileira de Palma e outras Cactáceas – ABPCac, a Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba – FAEPA, Universidade Federal da Paraíba – UFPB e Instituto Nacional do Semi-Árido – INSA e conta com o apoio de diversas  instituições do setor privado e público.

Vale lembrar que em outubro 2007, João Pessoa sediou o VI Congresso Internacional de Palma e Cochonilha, quando foram reunidos pesquisadores de diversos paises e mais de 600 participantes. Desta forma, o Congresso Brasileiro apresenta-se como uma sequência natural dos trabalhos e pesquisas deste segmento. Pode-se ressaltar ainda, que como fruto deste congresso espera-se reunir subsídios que possam ser utilizados para a contribuição efetiva da Sociedade na formulação de políticas de governo voltadas para a melhoria dos produtores rurais e da agroindústria.

Outras Informações sobre a cultura:

A palma é uma planta altamente resistente à seca, fato que oferece uma alternativa para o uso dos solos das regiões semi-áridas, que constituem aproximadamente 75% do território nordestino.

O nordeste brasileiro possui a maior área de palma cultivada do mundo, com cerca de 600 mil hectares. O Estado da Paraíba tem 70% do seu território na região do semi-árido e portanto, necessita de ações específicas para amenizar os efeitos da seca. A palma tem se apresentado como a melhor alternativa de produção agrícola ao tempo em que permite aos produtores rurais uma boa renda com  a venda da forrageira e ainda podem contar com alimentação para o rebanho o ano todo.  

A Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba e o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural da Paraíba), tem investido desde 2005 na expansão da cultura da Palma na Paraíba através do projeto Palmas Para o Semi-Árido. Esse projeto conta com infra-estrutura de assistência técnica e  qualificação dos agricultores em um novo sistema intensivo de produção da palma e aproveitamento da planta pra fins de alimentação humana e fabricação de diversos produtos, como sabonete, xampus, além de conservas, sorvetes e na culinária em geral.

Assessoria do Congresso

Eudete Petelinkar e Poliana Queiroz