29 de setembro de 2009

Convivência no Semi-árido será tema de especialização



“Educação Contextualizada para a Convivência com o Semiárido” é o tema de um

projeto de curso de especialização entregue pelo diretor do Instituto

Nacional do Semiárido (INSA/MCT), Roberto Germano Costa, ao vice-reitor da

Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), José Edilson de Amorim, em

reunião ocorrida nesta semana, em Campina Grande (PB). Também participaram

do encontro o coordenador do Grupo de Trabalho que elaborou o projeto,

professor Silvio Rossi (UFPB), o diretor do Centro de Desenvolvimento

Sustentável do Semiárido (CDSA/UFCG), Márcio Caniello, e o professor José

Irelanio Leite de Ataíde (CDSA/UFCG).

 

De acordo com Silvio Rossi, o curso se destina a educadores e educadoras de

escolas públicas da educação básica localizadas na região Semiárida

Brasileira. O projeto prevê a criação de duas turmas, sendo uma no município

de Sumé, no Cariri paraibano, com início já no primeiro semestre de 2010, e

outra em Cajazeiras, no Alto Sertão do Estado, cujo início será no segundo

semestre de 2010, com ingresso de 40 alunos em cada turma.

 

Ainda conforme o professor Silvio, a proposta é fruto de uma parceria entre

o INSA, Rede de Educação do Semiárido Brasileiro (Resab) e outras

instituições que trabalham a temática na região. “Esse trabalho foi

concluído após várias reuniões e inúmeras trocas de mensagens eletrônicas

entre os membros do grupo. A sugestão é que nos demais estados da região

ações semelhantes a essa possam ser (re)iniciadas ou fortalecidas, a exemplo

do que também já vem acontecendo há mais tempo na Bahia e no Piauí” – lembra

ele.

 

O vice-reitor da UFCG, José Edilson, garantiu empenho para a execução do

projeto, que já foi encaminhado para tramitação junto ao CDSA e demais

instâncias competentes da Instituição. Já o diretor do INSA, Roberto

Germano, enfatizou a tradição daquela Universidade no ensino de pós-

graduação, notadamente nas áreas de educação, meio-ambiente e

desenvolvimento sustentável, cujas atividades já somam mais de 30 anos. Ele

disse que “essa experiência é fundamental no processo de produção e

socialização do conhecimento, não apenas pela dimensão, mas pelo padrão de

qualidade acadêmico-científico que possui”.

 

Germano ressaltou que o Instituto está trabalhando para conseguir

financiamento junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), ao

Ministério da Educação (MEC) e a outros órgãos do Governo Federal, no

intuito de apoiar, mediante edital, a oferta desses cursos em todo o

Semiárido Brasileiro, a partir do próximo ano.

 

“Trata-se de uma ação que se encontra ainda em fase inicial, porém, o INSA

mantém-se à disposição para continuar somando esforços na área, buscando

parcerias com as respectivas representações estaduais da RESAB, secretarias

estaduais de educação e universidades públicas, para expandir esse projeto

para toda a região” – acrescentou.

 

Vale lembrar que ações voltadas à Educação para a Convivência com o

Semiárido estão previstas no Plano Diretor do INSA como uma das atividades

necessárias à consecução de seus objetivos estratégicos, à promoção de ações

que conduzam a reflexões sobre os fundamentos da educação contextualizada, à

contribuição do resultado de tais reflexões para a formulação de políticas

públicas educacionais e, em decorrência, à construção coletiva de projetos

em instituições responsáveis pela oferta de ensino, nas suas distintas

modalidades e níveis.

 

“Todo esse trabalho vai possibilitar uma reflexão entre os diversos atores

do Semiárido sobre a necessidade de construção de uma prática educativa

centrada no entendimento dos processos históricos, econômicos, culturais e

ambientais da região. É um projeto muito importante para a sociedade, por

estimular a permanência e a convivência com as peculiaridades locais” –

finaliza Roberto Germano.

Fonte: Assessoria do INSA