10 de junho de 2008

Erradicação da febre aftosa na América Latina



          “O hemisfério sul avançou como um todo na erradicação da febre aftosa, mas, a um ano e meio do término do prazo do Plano Hemisférico para a Erradicação da Febre Aftosa (PHEFA), alguns países ainda estão iniciando este processo”.  A avaliação é do diretor de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e presidente da 11ª Reunião do Comitê Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa (COHEFA), Jamil Gomes de Souza.

 

Os países em questão são Bolívia, Venezuela e Equador, onde as ações contra a aftosa, acordadas para o quadriênio 2005-2009, ainda estão em fase preliminar. Ao final do encontro, que durou todo o dia, foi decidida a criação de um grupo de trabalho que visitará os três países, para conhecer a situação em que se encontram. Com as autoridades governamentais, o grupo definirá metas e data para que essas ações de erradicação sejam cumpridas. Além disso, será realizada uma reunião extraordinária do comitê sobre o assunto.

 

Essas conclusões serão apresentadas, na quarta-feira (11), a ministros de Agricultura e Saúde de 35 países do continente americano, durante a 15ª Reunião Interamericana em Nível Ministerial sobre Agricultura e Saúde (RIMSA 15.

 

Situação –    Dados da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) mostram que 74,4% da América do Sul está livre de aftosa com vacinação; 3,1% apresenta o status de livre sem vacinação; enquanto que 18,6% é considerado não livre da doença, ou seja, têm o status de risco desconhecido ou médio risco; e 3,9% está com o status suspenso.

 

         Conseguiram status de livre de aftosa com vacinação, a partir de 2005, Peru, Colômbia, alguns estados do Brasil e duas áreas da Bolívia. Vale destacar que o estado de Santa Catarina foi reconhecido pela OIE como livre sem vacinação há pouco mais de um ano.

 

Fonte:Mapa