22 de janeiro de 2009

Exportações recordes superam US$ 70 bi em 2008



O ano de 2008
foi excelente para o Brasil no comércio internacional do agronegócio. As
exportações do setor totalizaram a marca histórica de US$ 71,9 bilhões, um
acréscimo de US$ 13,4 bilhões em relação a 2007, que corresponde a 23% de
crescimento. O superávit da balança comercial do agronegócio também registrou
recorde, alcançando a cifra de US$ 60 bilhões. A participação do setor nas
exportações totais brasileiras foi de 36,3%. As informações são do Ministério
da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O bom desempenho das exportações em 2008 foi resultado do aumento da receita
com a venda dos principais produtos da balança comercial do agronegócio,
informa o Mapa. O complexo soja (óleo, farelo e grão) registrou crescimento de
58%, o setor de carnes, 29%, café, 22%, fumo e seus produtos, 22%, complexo
sucroalcooleiro, 18%, e produtos florestais, 6%. O complexo soja continua na
liderança das vendas com US$ 18 bilhões. Em segundo lugar, permaneceram as carnes
alcançando o valor de US$ 14,5 bilhões. Em 2007, o valor das vendas desses
setores (soja e carnes) já tinha ultrapassado a casa dos US$ 10 bilhões. No ano
passado, as exportação encostaram em US$ 20 bilhões.

Merece destaque o incremento de 80% do valor das exportações de produtos
lácteos que saltou de US$ 299 milhões, em 2007, para US$ 541 milhões no ano
passado. As vendas externas brasileiras foram beneficiadas pelo aumento dos
preços no mercado internacional. Além disso, muitos produtos registraram acréscimo
dos volumes embarcados em relação a 2007, como, por exemplo, o álcool (45%) e
os lácteos (43%).

Também registraram crescimento expressivo o mel, devido à retomada das vendas à
União Européia (UE), os animais vivos e rações. Os produtos de origem vegetal
responderam por 72,8% da pauta exportadora do agronegócio, praticamente a mesma
proporção em 2007, quando corresponderam por 72,3% das exportações.

Principais destinos – As vendas externas apresentaram índices positivos de
crescimento para todos os blocos econômicos de destino das exportações, com
exceção do Nafta. Para a UE as exportações aumentaram 13,8%, Mercosul, 21%,
Oriente Médio, 8,5%, Europa Oriental, 28% e África 27%. Os maiores crescimentos
foram registrados com os países da Aladi, 63%, e Ásia, 49%. A UE manteve a
maior participação comprando 33% dos produtos nacionais do agronegócio, seguida
pela Ásia, 23,5% e o Nafta, 10%.

Devido ao forte crescimento das exportações para a China (70%), este país
passou a ocupar a primeira posição no ranking dos mercados compradores de
produtos do agronegócio brasileiro, absorvendo isoladamente 11% das exportações
que continuam muito concentradas em soja, em torno de 77,6%. Em segundo lugar
estão os Países Baixos, com 9% de participação, e os Estados Unidos, em
terceiro, com 8,7%. Em apenas um ano, a China saiu da terceira para a primeira
posição. Vale ressaltar, também, o forte crescimento (112%) das exportações
para a Venezuela que pulou da 15ª posição do ranking, em 2007, para 9ª no ano
passado.

Importações – O Brasil importou em produtos do agronegócio 35,6% a mais em
2008, na comparação com ano anterior, totalizando  US$ 11,8 bilhões. É a
primeira vez que as importações de produtos agrícolas ultrapassam a barreira do
US$ 10 bilhões. O produto com maior valor importado foi o trigo, com US$ 1,9
bilhão, valor 34,6% superior ao número de 2007. Esse resultado foi consequência
do preço elevado (48%) do trigo no mercado internacional, já que a quantidade
importada foi 9% inferior. As importações de arroz (38%) e milho (30%) também
apresentaram redução do volume importado.

Fonte: Mapa