30 de julho de 2009

Interesse no etanol brasileiro



Liderando uma comitiva que incluiu membros do governo e do setor privado local, Ballard se reuniu com o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, com o objetivo de conhecer iniciativas no campo da pesquisa científica e tecnológica que levaram o Brasil a se tornar o primeiro país industrializado a ter um recurso renovável – a cana-de-açúcar – como segunda principal fonte de energia.
Segundo Ballard, o pioneirismo brasileiro no uso de biocombustíveis em larga escala é um exemplo que deve ser seguido. A cana-de-açúcar é responsável por cerca de 16% de toda a energia usada no país, que é o segundo maior produtor de etanol do mundo – sendo que mais da metade dessa produção cabe ao Estado de São Paulo.
“Indianápolis tem um centro emergente para energias renováveis e nos interessa muito saber como o Brasil tem feito para se destacar nesse setor. E São Paulo é um ator muito importante no sucesso brasileiro no uso de bioenergia a partir do etanol”, disse Ballard à Agência FAPESP.
Ballard se declarou receptivo sobre a possibilidade de inserir o uso do etanol brasileiro na capital do estado de Indiana. “Queremos combinar os esforços acadêmicos e industriais como foi feito no Brasil e tentar adaptar esse processo em Indianápolis, a fim de, como vocês, aprender a usar os recursos naturais para desenvolver o país com menos impacto para o meio ambiente. Ao mesmo tempo, estudamos como ampliar o uso do etanol brasileiro”, destacou.
De acordo com Ballard, parte dos 420 mil litros de combustível usados anualmente na competição automobilística da Fórmula Indy, em Indianápolis, consiste em etanol fornecido pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), sediada em Ribeirão Preto (SP).
Segundo Brito Cruz, o etanol de cana-de-açúcar feito no Brasil não concorreria com uma eventual produção de etanol celulósico. “Só optamos pelo etanol da cana-de-açúcar porque ele atualmente é mais fácil de produzir. A produção de cana-de-açúcar do Estado de São Paulo disponibiliza imensas quantidades de celulose, que está na palha da cana. São alternativas complementares”, disse.
Além de Ballard e Brito Cruz, participaram da reunião Winnie Ballard, primeira-dama de Indianápolis, Carolin Requiz Smith, secretária de Relações Internacionais de Indianápolis, Scott Miller, presidente da empresa Indianapolis Economic Development, Carey Lykins, diretora do Citizens Energy Group, Andrew Hsu, diretor do Centro Richard G. Lugar de Energias Renováveis e diretor da Escola de Engenharia e Tecnologia de Purdue, da Universidade de Indiana, Fabio Ribeiro, professor de Engenharia Química da Universidade Purdue, e Melissa Proffitt Reese, sócia da empresa Ice Miller.
 
Fonte: Agência FAPESP