31 de janeiro de 2013

Ministro da Pesca pede incentivo a produção de peixe



O ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, pediu nessa quarta, dia 30, o empenho dos prefeitos para que o Brasil deixe de ser um pequeno produtor de pescado e passe a competir com países onde o peixe é a principal carne exportada. Segundo Crivella, o peixe é, em todo o mundo, o maior produto do agronegócio.

Crivella falou aos dirigentes municipais durante o Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas, que começou segunda, dia 28, e terminou na quarta em Brasília. Aberto pela presidente Dilma Rousseff, o evento é organizado pelo governo federal e tem como objetivo apresentar aos novos gestores os programas que têm reflexo direto nas prefeituras.

Na parte dedicada aos assuntos da aquicultura, o ministro Crivella disse aos prefeitos que as carnes de porco, boi e frango somam 50% da produção mundial, ficando o restante com a produção de peixes. Para o ministro, o Brasil precisa sair da produção anual de 1,2 milhão de toneladas, chegando em 2014 a dois milhões de toneladas.
Crivella disse que a baixa produção no país é injustificável, porque o Brasil tem as maiores reservas de água doce do planeta.

– A Rússia, que conta com menos da metade desse potencial, produz mais que o Brasil – disse o ministro.

O consumo de pescado no país também é baixo, lembrou Crivella, alcançando nove quilos por ano por habitante. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo anual de 13,5 quilos por habitante, por ser a carne mais saudável.

– As possibilidades de aumento de produção no país são muitas. Temos mil hidrelétricas e 200 grandes lagos, onde pode se desenvolver bastante o potencial de produção, sendo possível lançar mão também de criadouros em tanques, na área da agricultura familiar – segundo o ministro.

Ao lembrar que o setor pesqueiro conta com crédito a juros baixos, ele pediu que as prefeituras municipais cedessem terrenos para criação vilas de pescadores, uma vez que grande contingente deles vivem em palhoças. 

Fonte: Agência Brasil