18 de setembro de 2008

Sisal se expande no Seridó paraibano e evita êxodo rural



O sisal é uma cultura de grande importância econômica e detentor de um forte apelo social, uma vez que o cultivo e beneficiamento do produto garantem a geração de emprego e renda no campo e o êxodo rural. Um bom exemplo está acontecendo em São Vicente do Seridó, região administrativa de Picuí, no Seridó paraibano, onde dezenas de agricultores familiares sobrevivem da cultura.

 

Dentre as atividades desenvolvidas com o sisal no município, um trabalho que tem merecido destaque é o grupo “As Sisaleiras do Seridó” composto de jovens e mulheres rurais que confeccionam bijuterias, objetos e decorações, cuja produção é vendida em feiras do município e em estados vizinhos. O grupo está inscrito para representar a Paraíba na Feira Nacional da Agricultura Familiar, que acontecerá entre os dias 26 e 30 de novembro, no Rio de Janeiro.

No Assentamento Olho D’água, além do trabalho das sisaleiras, outras atividades estão beneficiando cerca de 30 famílias.  Uma unidade demonstrativa de um hectare de sisal consorciado com sorgo e milho está garantindo a alimentação do rebanho local. Na localidade, há uma usina de beneficiamento de sisal que trabalha tanto a produção local, como de municípios vizinhos.

Visando um melhor aproveitamento da mucilagem do sisal na ração animal, há poucos dias foi iniciada a confecção de quatro silos trincheira e feno.  Segundo os extensionistas Karina Queiroz e Josimar Felipe, responsáveis pela condução das atividades no Assentamento Olho D’água, essa foi a melhor maneira de evitar o desperdiço de material no processo de beneficiamento de sisal. Os agricultores receberam uma peneira rotativa para separar a mucilagem da bucha, que também é aproveitada e vendida a R$ 0,60 o quilo.

 

Os técnicos da Emater, com base em recomendações do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agropecuária e da Pesca, têm dedicado especial atenção aos projetos em áreas de assentamento, principalmente do programa de Assessoria Técnica, Social e Ambiental (Ates). Resultado de convênio firmado entre a Emater/Incra/Asbraer esse programa contempla 25 áreas de assentamento na Paraíba, beneficiando mais de mil famílias de agricultores.

 

Fonte: Governo do Estado modificada pela equipe de comunicação Senar/Faepa

 

O projeto realizado através de parceria da Emater, Embrapa e Senar, tem possibilidado o fortalecimento da atividade sisaleira, com a realização de cursos de capacitação sob os temas cultivo de sisal no semi-árido nordestino, tratos culturais e aproveitamento da mucilagem do sisal na alimentação animal. Atualmente, a unidade demonstrativa de sisal está trabalhando toda a cadeia produtiva, inclusive a parte de artesanato. Além desse projeto, há outros em processo de elaboração como os bancos comunitários de sementes de alimentos básicos e de proteínas.