17 de junho de 2013

FAO defende potencial da mandioca como alimento do século 21



Um alimento bem conhecido dos brasileiros e nem sempre valorizado, a mandioca, pode se transformar em um dos principais produtos agrícolas do século 21, se for cultivada em um modelo de agricultura sustentável que satisfaça o aumento da demanda, defendeu recentemente, em publicação, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A divulgação foi feita no lançamento de um programa batizado de “Economizar para Crescer”, cujo primeiro guia de aplicação prática de modelos de agricultura sustentável tem como estrela a mandioca. De acordo com o guia, a produtividade do tubérculo pode quintuplicar com a adoção de práticas como rotação de culturas e uso racional de insumos, de preferência não químicos. Essas práticas teriam dado bons resultados em campos experimentais no Vietnã e na República Democrática do Congo, país africano com grande potencial agrícola e lanterninha do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Segundo a entidade, que é presidida atualmente pelo brasileiro José Graziano, a produção mundial de mandioca aumentou 60% desde 2000, sendo opção nutricional para cereais como trigo e milho, cujos preços aumentaram muito nos últimos anos, tornando-se pouco acessíveis a populações carentes de países em desenvolvimento. Com a mandioca é possível produzir uma farinha de alta qualidade, que pode ser usada para substituir à de trigo, por exemplo.

Cultivada tradicionalmente por grupos indígenas na América Latina, a mandioca espalhou-se pelo mundo na época da colonização pelos europeus. Foi levada, com o tráfico de escravos, para a África onde se tornou popular, fazendo parte da dieta cotidiana em alguns países. 

Fonte: Sou Agro